Mato Grosso, Terça, 12 de Novembro de 2019
Agronegocio | safra 2019/2020
Terça, 15 de Outubro de 2019
Baixo valor de commodities faz com produtores de soja recuem e não aumentam área plantada em MT
Fotografia:Reprodução

Diante do cenário econômico enfrentado pelo país e o valor atual das commodities, produtores rurais de Mato Grosso optaram por recuar e não expandir a área de lavou na safra 19/20. De acordo com José Nardes, presidente do Sindicato Rural de Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, a China diminuiu as exportações de soja e isso impacta no campo.

 

Até o momento, segundo levantamento feito pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), o aumento de área foi de 1,14%, se comparado à safra passada. A estimativa é que, este ano, sejam cultivados 9,7 milhões de hectares em todo o estado.

 

Nardes explica que um dos fatores que interferem no valor das commodities é o impasse entre Chica e Estados Unidos. A decisão da China de suspender a importação de soja dos Estados Unidos causou instabilidade no mercado, pois o país asiático é o maior consumidor de soja do mundo.

 

No entanto, segundo Nardes, hoje, o produtor já está mais preparado para implantar estratégias que ajudem a superar essas questões de mercado.

 

"O produtor rural é mais empresário hoje, do que era há alguns anos. Assim, ele aprendeu a lidar com os problemas de mercado. Recuar a área plantada, por exemplo, é uma estratégia que implica em menos perdas", explicou ele.

 

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Galvan, o custo desta safra está alto e encareceu a produção de maneira geral.

 

"Somando os custos de produção, defensivos, mão-de-obra, máquinas, combustível, à falta de infraestrutura para o escoamento, que onera o frete, temos um valor muito alto, que acaba engessando o produtor", argumentou ele.

 

Segundo ele, as questões políticas também impactam, de certa forma, porque interfere nos valores do produto no mercado internacional. Porém, as dificuldades no estado, como infraestrutura e impostos ainda são os maiores gargalos para a produção de soja.

 

"Poderíamos ter um bom resultado em razão da quebra da safra americana. Lá, eles tiveram muitas chuvas no início do plantio e não conseguiram plantar todas as áreas, dessa forma, vão colher menos. isso seria uma vantagem para o Brasil, mas o produtor não tem o produto para entregar", explicou.

 

Em contrapartida, o Imea avalia que exista um movimento de aumento da área semeada e consequentemente a expectativa de produção no estado em relação à safra passada.

Fonte:Redação / G1 MT
Autor:Lidiane Moraes
FOTOS DA NOTÍCIA