Mato Grosso, Domingo, 21 de Outubro de 2018
Saude | caos na saúde
Quarta, 10 de Outubro de 2018
Recém-nascida morre após ser liberada várias vezes de hospital em Tapurah; mãe denuncia negligência
Fotografia:Arquivo pessoal

Darla da Silva Ribeiro, de 20 anos, denunciou o Hospital Municipal de Tapurah, a 414 km de Cuiabá, por negligência médica, após a filha dela morrer no dia 24 de setembro. Segundo a mãe, antes de ter sido encaminhada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Sorriso, onde faleceu, a recém-nascida foi consultada por três vezes em Tapurah, mas não teve diagnóstico.

 

Ainda segundo a mãe, a bebê, que nasceu no dia 12 de setembro, em Tapurah, teve febre desde o primeiro dia de vida. Avisada pela avó de que a criança não estava bem, uma enfermeira esteve no quarto e disse que a recém-nascida estava com frente porque estava com muita roupa.

 

Mãe e filha foram liberadas dois dias depois. Antes da alta, o bebê passou por um exame de raio-X no tórax, mas, segundo o médico, não foi diagnosticada nenhuma alteração.

 

Dez dias após o parto, a criança voltou a ter febre e passou a rejeitar o leite materno. Darla levou a filha o pronto atendimento do hospital. Ao chegar lá, foi constatado que a criança estava com febre de 38.9 graus.

 

“A médica disse que a febre não era algo bom. Passou remédio em gotas e pediu para esperar”, contou.

 

Como a febre cessou, mãe e filha foram liberadas. Em casa, o bebê voltou a ter febre e Darla a levou para a unidade de saúde novamente.

 

“Na segunda vez, a médica disse que poderia ser alguma infecção no umbigo, que eu não estava cuidando direito. Passou uma receita e mandou para casa”, relatou.

 

A mãe alega ainda que, em nenhuma das vezes em que a criança foi atendida, houve exames.

 

“Ela não escutou o coração, não escutou o pulmão, nada”, explicou.

 

Na madrugada, a mãe levou a criança ao hospital novamente, pela terceira vez.

 

“Ela disse que daria uma injeção. Aí, a enfermeira disse que poderia ser gases e deu um remédio para gases e fomos liberadas novamente”, disse.

 

Como a criança não melhorou, a mãe a levou ao hospital pela quarta vez. Porém, outro médico estaria no plantão e atendeu a menina.

 

Ele percebeu que o estado da criança era grave e encaminhou para a UTI do Hospital Regional de Sorriso. A recém-nascida ficou internada por 24 horas e morreu.

 

De acordo com a direção do hospital, a morte foi ocasionada por choque séptico, infecção generalizada e pneumonia.

 

“Assim que a criança chegou, foi identificada a infecção e ela foi colocada na UTI neonatal e feita a introdução de antibiótico. Mas, mesmo com todos os procedimentos para o caso, ela morreu”, disse Luciele Benin, diretora do hospital.

 

A Secretara Municipal de Saúde de Tapurah informou que o caso está sendo apurado. O secretário Marco Antônio Felipe diz que existem duas possibilidades.

 

“Estamos levantando todo o prontuário dela, desde que ela chegou ao hospital pela primeira vez para identificar o que aconteceu”, afirmou o secretário de Saúde.

 

Leia também: Médico de Tapurah é acusado de fazer cirurgias sem consentimento de pacientes

Fonte:Redação/ G1 MT
Autor:Bruno Bortolozo
FOTOS DA NOTÍCIA