Mato Grosso, Domingo, 21 de Outubro de 2018
Cidades | 5° do RANKING
Sexta, 12 de Janeiro de 2018
Deputados estaduais de MT estão entre os mais caros do Brasil, salários ultrapassam R$160 Mil
Fotografia:Reprodução

Os deputados estaduais brasileiros gastam demais, têm muitos funcionários e, em alguns casos, têm salário acima do permitido – tudo pago com o seu dinheiro. A conclusão é de um relatório da ONG Transparência Brasil divulgado esta semana.

 

Segundo o estudo, deputados de ao menos cinco estados ganham mais do que o teto permitido, que é de R$ 25.322. Para burlar esse limite, eles recebem gratificações quando presidem comissões na Casa ou quando fazem parte da mesa diretora.

 

A Transparência Brasil descobriu também que muitos deputados estaduais têm direito a verbas indenizatórias “astronômicas”. Esse dinheiro é usado para gastos como escritório, passagens aéreas e aluguel de veículos.

 

Na Câmara dos Deputados em Brasília, o teto da verba indenizatória varia entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, dependendo do estado de origem do parlamentar. Nas Assembleias estaduais, porém, há limites de até R$ 65 mil, como é o caso do Mato Grosso. Detalhe: diferente dos federais, os deputados estaduais trabalham em seu próprio estado de origem e não têm a necessidade de viajar longas distâncias toda semana. Outro ponto de desperdício é a verba de gabinete – dinheiro destinado à contratação de assessores para o parlamentar. Os deputados federais em Brasília têm um teto de R$ 92 mil, para contratar 25 pessoas.

 

Pois nos estados há valores bem maiores. No Distrito Federal, por exemplo, a verba de gabinete é de impressionantes R$ 173,2 mil, quase o dobro da verba disponível para os deputados federais. Esse montante faz com que os deputados estaduais do Distrito Federal sejam os mais caros do país, de acordo com o levantamento.

 

Três estados não entraram no estudo, pois não disponibilizaram os dados necessários: Acre, Maranhão e Sergipe. Outros aparecem apenas com parte das informações, como o Amapá (que não mostra a verba de gabinete de seus deputados).

 

1 – Distrito Federal – R$ 223.787 por deputado

2 – Rio de Janeiro – R$ 200.003 por deputado

3 – São Paulo – R$ 184.822 por deputado

4 – Bahia – R$ 160.391 por deputado

5 – Mato Grosso – R$ 160.322 por deputado

 

O Mato Grosso tem a maior verba indenizatória do país, com R$ 65 mil por deputado, e é tratado no relatório como o caso “mais absurdo”. Isso porque os deputados mato-grossenses não precisam mais comprovar gastos para ter direito a essa verba. “Os R$ 65 mil são depositados automaticamente na conta do parlamentar, que não precisa apresentar comprovantes fiscais antes de receber o dinheiro”, diz o estudo.

 

UF Mato Grosso

Salário dos deputados R$ 25.322

Gratificações

Auxílio moradia

Verba indenizatória R$ 65.000

Outras verbas

Total para gasto pessoal R$ 90.322

Verba de gabinete (para contratação de assessores) R$ 70.000

TOTAL (pessoal + gabinete) R$ 160.322

6 – Roraima – R$ 155.580 por deputado

7 – Pará – R$ 141.232 por deputado

8 – Amazonas – R$ 140.922 por deputado

9 – Alagoas – R$ 140.645 por deputado

10 – Piauí – R$ 138.504 por deputado

11 – Pernambuco – R$ 137.972 por deputado

12 – Paraná – R$ 135.317 por deputado

13 – Rio Grande do Norte – R$ 131.658 por deputado

14 – Minas Gerais – R$ 127.359 por deputado

15 – Tocantins – R$ 123.226 por deputado

17 – Rondônia – R$ 122.254 por deputado

18 – Rio Grande do Sul – R$ 115.839 por deputado

19 – Goiás – R$ 110.183 por deputado

20 – Santa Catarina – R$ 107.700 por deputado

21 – Espírito Santo – R$ 89.323 por deputado

22 – Paraíba – R$ 67.878 por deputado

23 – Mato Grosso do Sul – R$ 59.565 por deputado

24 – Amapá – R$ 58.949 por deputado 

 

Informações Revista Exame

Fonte:Redação / Fato e Notícia
FOTOS DA NOTÍCIA